sexta-feira, 30 de março de 2018

Passagem de Anne Ancelin Schutzenberger


Disparition d'Anne Ancelin Schützenberger

En affirmant que nos destins sont marqués par ceux de nos ancêtres sur plusieurs générations, Anne Ancelin Schützenberger a révolutionné l’approche analytique classique et éclairé quantité de vies en souffrance. À presque 99 ans, la fondatrice de la psychogénéalogie vient de s'éteindre. Nous l'avions rencontrée, après la publication de son autobiographie, Le Plaisir de vivre (Payot), véritable plaidoyer pour le « plaisir au quotidien ». Souvenir d'une rencontre avec une femme optimiste et libre.
Anne Laure Gannac

Para saber mais, ver AQUI.

domingo, 18 de março de 2018

Jacob Levy Moreno: sua vida e suas musas


Final e "Love-back" (feed-back): III Edição da "Formação Sociodrama, histórias e resolução de conflitos"

Acabámos assim, no intervalo, à volta de uma mesa. Tal foi a entrega dos elementos do grupo. Interrogámo-nos do porquê de só mulheres terem participado neste grupo ... Nesta última sessão, entre a Escola Ideal, a realidade suplementar, e a avaliação da formação, o "love-back" foi intenso e muito frutífero.

"Precisamos de coragem para mudar o que pode ser mudado;
Serenidade para aceitar o que não pode ser mudado;
E sabedoria para distinguir uma coisa da outra."
(Adaptação livre, de uma frase que aparece como sendo de São Francisco de Assis, mas que também já ouvi como sendo de um grande Chefe Índio americano)

Tal como dizia Moreno, se houvesse mais grupos a participar em sessões de Sociodrama, certamente que o mundo seria diferente: aprenderíamos a respeitar mais as nossas diferenças, a conviver com elas e a perceber como elas podem ser frutíferas, nas resolução e transformação de conflitos das nossas vidas.

E ainda, a propósito do idealismo e da utopia:
"O que faz andar a estrada? É o sonho. Enquanto a gente sonhar a estrada permanecerá viva. É para isso que servem os caminhos, para nos fazerem parentes do futuro”.
( (Fala de Tuahir), em "Terra sonâmbula", São Paulo: Companhia das Letras, 2007.)

Uma outra referência sobre a Utopia, Eduardo Galeano, poeta, jornalista e filósofo uruguaio:






 

O que é necessário existir numa "Escola Ideal" - resultado do "brainstorming":




 
 












"Love-back" espontâneo, ao longo deste percurso de formação

A.:

"Quero agradecer-lhe os excelentes sábados que me tem proporcionado (a mim e com toda a certeza a todo o grupo). São fantásticos, vou sempre com alegria e prazer. O grupo em si dá-me tranquilidade. Quando me inscrevi na formação considerei sempre que seria uma mais valia a nível profissional, neste momento a opinião difere, pois a nível pessoal é onde considero que a formação faz mais sentido. Ainda falta uma sessão e questiono-me se não poderíamos continuar a fazer algumas sessões...seria muito bom..."
  
M.:
"Tem sido uma experiência muito importante para mim, pelo que retribuo as palavras. Nunca pensei que uma ação de formação (e num grupo que me está a possibilitar «um alargamento de horizontes») tivesse uma repercussão tão grande."

S.:
"Tem sido uma aventura surpreendente este trabalho conjunto. Parabéns à timoneira! Confesso-lhe que estes desafios têm contribuído para adensar o meu deslumbre e curiosidade pela área do sociodrama. Quando tivesse disponibilidade, gostaria que me transmitisse mais informação sobre a formação em sociodrama: como? onde? de que forma? Obrigada!"

quarta-feira, 14 de março de 2018

Sociodrama Público com Arte: "Leveza", 22/03, 19h

Precisamos de tornar a Vida mais leve? Quando? Como? Com quem? Onde? Porquê?
Em que é que ela nos pesa?
A entrada é livre e nem são precisas inscrições. Apareçam!! Estão todos convidados.


terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Sociodrama Público com Arte: "Você tem fome de quê? Você tem sede de quê?"

Foi na última 5.ª feira (22/02), na Livraria Ler Devagar.
Mais uma sessão que valeu muito a pena. O tema proposto foi: "Você tem fome de quê? Você tem sede de quê?" - inspirado numa música dos Titãs.
Um momento de partilha e celebração, de Encontro. Para saciar as nossas sedes e fomes precisamos de Amor, de Tranquilidade, de Mar, de Viver a Criança que temos em nós, de Viajar, de Conhecimento, dos Outros, de Saúde, ... Que privilégio podermos fazer estas sessões e acolher quem vem. Todos são bem vindos, venha quem vier por bem. Muito obrigada a todos os que participaram. Abraços.
Léá K. e Margarida Belchior




Algumas fotografias da sessão: